Twenty years from now you will be more disapointed by the things you didn`t  do by the ones you did do. So throw off the bowlines. Sail away from the safe harbor. Cath the trade winds in your sails. Explore. Dream. Discovery.

[Daqui a vinte anos te sentirás mais desiludido pelas coisas que não chegastes a fazer do que por aquelas que fizeste. Assim, solta as amarras. Caça tuas velas. Navega mar afora. Explora. Sonha. Descobre.]  Frase atribuída ao escritor americano Mark Twain.

Tem gente que vem na vida para sonhar e tem gente que realiza sonhos. Meu pai é gente que sonha e realiza. A vida inteira vi meu pai construindo coisas, ele nunca esteve parado esperando um sonho entrar pela janela. Ele sempre foi atrás de sonhos, um após o outro e a última coisa que ele vem sonhando é com um trimaram. Meu pai é do tipo que constrói barcos no quintal de casa. Ele já tem dois barcos construídos e está em fase de conclusão do terceiro. E não é qualquer barco e não é qualquer construção. É um projeto minucioso e arrojado, de um barco com três cascos, 34 pés, no quintal de casa. Ele montou cada partezinha minúscula desse enorme quebra-cabeça sozinho. Para isso, ele aprendeu a ler/escrever em inglês para decifrar o projeto, técnicas dificílimas de engenharia naval, marcenaria, entre outras inúmeras coisas que eu nem sei o nome de tão complicadas que envolvem a construção de um veleiro. Imagina um cara, advogado, funcionário público, uma pessoa das letras, dos livros, das petições, aprender a entortar a madeira para fazer curvas precisas e perfeitas. São tantas coisas que só lendo o site dele [ele também aprendeu a fazer um site para publicar o diário de construção] para entender o rigoroso passo-a-passo da construção. O nome desse sonho? Aragem. Diz o Seu Aurélio que aragem é algo como uma brisa, um vento, é leve como navegar num mar de águas calmas, é sereno. Não podia ter outro nome! Traduz o espírito e o sorriso do meu querido, meu velho, meu amigo. Esse sonho começou em março de 2004. São sete anos inteiros dedicados dia, noite, finais de semana e muitas horas de estudo via internet para que ele estivesse quase prontinho e gigante como está. É um trabalho tão de formiguinha que não imagino outra pessoa no mundo mais paciente e obstinada para fazê-lo. Meu pai tem um espiríto Schürmann, parece que saiu de um livro do Mark Twain, é um cara excêntrico, absurdamente inteligente e meu deu a família mais linda que eu podia ter. Hoje eu queria convidar meus leitores a conhecer o sonho do meu pai e entender de onde vem muito dessa minha mania de querer fazer coisas perfeitas. Sou muito pequena perto desse projeto e sei que, como a grande maioria das pessoas, talvez eu passe a vida inteira e não consiga realizar uma obra de tão inestimável valor quanto essa. Imagina a riqueza de uma alma que constrói seu próprio barco para morar, viajar e conhecer as maravilhas do mundo.