30

Mulher é um bicho muito estranho. Já faz um tempo, quinze dias talvez, que estou afundada numa onda de feiura da qual não consigo emergir. Eu explico. É como se fosse aquela sensação tensão pré-menstrual que a gente vive intensamente todo santo mês, mas que não vai passar nunca. Pode ser a idade. Ou o espelho. O fato é que eu costumava me achar bonita, gostava muito do meu cabelo, da minha pele, do meu corpo e agora tudo que eu vejo no espelho é uma mulher sem graça, cheia de espinhas, com mil defeitos para corrigir no Photoshop, com os cabelos sem vida e com o sorriso bem amarelo. Fiz trinta. Já faz seis meses que eu fiz trinta. Não tenho filhos ainda e minha barriga costumava ser ok. Agora como folhas e frango todos os “dias de feira”, mas não adianta, ela não baixa! Odeio academia. Não é que eu odeie cem por cento, mas é que prefiro ler um livro e preparar uma aula do que ir à academia. Então, fazer exercícios nunca será minha prioridade. Não tenho empregada em casa. Não tenho tempo, nem saco de fazer comida, logo como na rua todo dia. Se eu como na rua todo dia, acabo optando por uma refeição mais calórica em cinquenta por cento das vezes por que não tenho tantas opções saudáveis assim. E não gosto da maioria dos restaurantes da minha cidade, logo, ganho calorias e ainda não fico feliz. Não como doce, passo meses sem comer chocolate, mas viveria de comer macarrão todo dia, várias vezes ao dia. Como meu macarrão e sofro ao subir na balança do banheiro da academia. Não consigo organizar meu tempo. Vivo numa eterna briga entre meu tempo e minha satisfação pessoal, eles divergem. Queria acordar todo dia e fazer exatemente todas as coisas que eu faço, mas queria fazer sem pressa e poder tomar um copo com água de hora em hora. Todas as roupas do meu guarda-roupa estão sem graça no meu corpo. Aliás, tenho sofrido bastante sem poder fazer roupas para mim, como fazia antes, por que sempre dou prioridade às roupas das minhas clientes.  Meu cabelo não pàra no lugar, minha pele está cada dia pior. Tenho usado uns cinco cremes diferentes passados pela dermatologista, mas não vejo absoluto efeito. Odeio usar protetor solar. Estou bem certa de que ele que está destruindo meus poros faciais, mas não tenho coragem de largá-lo Gastei os tubos essa semana para ver se melhorava, mas não fiquei tão loira quanto queria e a hidratação não me deixou com o cabelo da Lalá Rudge e, ainda tenho que lavar duas vezes por dia. Falando em cabelo eu odeio com todas as minhas forças ter que penteá-los. Odeio a maioria dessas frescuras femininas, tal qual: ir ao salão de beleza, fazer massagem, pintar unhas toda semana, etc. O resto está tudo ok. Tirando o fato de que todos ao meu redor já têm filhos e eu ainda não tive coragem, apesar de querer muito. Não estou irritada como eu costumava ficar com o fato de não cumprir minha agenda no final do dia. Ultimamente tenho trocado irritação por tristeza. Tristeza não ofende os outros. Fico na minha calada, dou uns dois choros do trajeto trabalho casa no final da noite, assisto a novela, converso com meu marido, recebo carinho, passo meus cremes e começa tudo novo. Há quem pense que eu não sou feliz ou que sou dramática. Sou absurdamente normal e estou na crise (física) dos trinta. Deus te livre.